Para que servem os Mediuns

mediums pintura a oleo

Adicionado à pasta de tinta em proporções diversas modifica o comportamento na execução permitindo um controle e facilidade na execução e no resultado final.

Trata-se de um produto auxiliar elaborado até bem pouco tempo com óleo secativo, alvaiade de chumbo e resinas naturais: deveria acelerar o tempo de secagem da camada de tinta, permitir uma execução facilitada além de adicionar uma plasticidade eficiente na pintura.

Sua elaboração, trabalhosa, necessitava de cozimento do óleo (o resultado é o conhecido “óleo negro”), alvaide de chumbo com os riscos da combustão expontanea.

Depois de retornar á temperatura ambiente adicionava-se um verniz de resina mastique. A mistura produzia um gel que juntado à tinta resultava em um poderoso auxiliar na pintura.

Hoje com a restrição do uso de substancias perigosas (como o chumbo, o mercúrio e os cromatos) esse medium e muitos outros foram modificados radicalmente.

Recentemente a firma “lefranc et bourgeoise” na frança, modificou seus “mediums” mais importantes.

De fato os “mediums flamand”* e “venetian”* já não comportam mais em suas receitas o chumbo. Os “mediums” de pintura das marcas tradicionais na sua maioria utilizam a resina alquidica* sem metais pesados e mais segura em sua manipulação.

Medium TalensÉ famoso e muito usado no brasil os produtos Talens são requintados, econômico e com varias formulas para diversas técnicas.

Adicionados à tinta em proporções adequadas proporcionam uma execução tixotrópica* de alta fatura; abrevia o tempo de secagem e adiciona uma plasticidade desejável no óleo.

Como se sabe a tinta a óleo seca de maneira diversa por ação catalizadora dos pigmentos que permitem a captação de oxigênio.

Dependendo do pigmento esse tempo de polimerização é variado.

Assim a utilização do óleo sem os “mediums” seca de maneira diversa em cada cor:
– o medium alquídico favorece uma secagem uniforme e em clima temperado possibilita uma retomada da pintura em dezoito a vinte e quatro horas, sem prejuízo da idoneidade do trabalho.

Todas as cores secam ao mesmo tempo.
Claro que as opiniões a respeito desses “mediums” são as mais variadas possíveis. Mas só a eliminação dos secantes tradicionais (entre eles o secante de cobalto, de efeito deletério) justificaria a procura de outros produtos.

-não esqueçamos também dos agregados como misturas a base de Damar, de copal(legítimo, por favor), do Mastique de Chios, do Ambar, afamado da antiga firma Blockx na Bélgica.

São receitas cuja discussão é permanente.
Um exemplo idôneo nesse assunto é o da centenária firma schmincke da alemanha: sua tinta a óleo de primeira linha é a famosa “mussini”.

Trata-se de um óleo “fine arts” composto de aglutinte, pigmento e frações diversa de resina damar em cada cor.

Como o damar deve ser dissolvido para compor o produto final, atua como “respiro” no filme de pintura e facilita a oxigenação com os benefícios plásticos da resina.

– A oferta da tinta a óleo, nos dias de hoje, procura dar ao artista muito mais controle sobre a reologia, o tempo de secagem e a manipulação:

Nas tintas profissionais registramos esses avanços:

– as linhas tradicionais compostas de óleos secativos e pigmentos de novas e excelentes extrações
– as linhas de óleos de secagem rápida formuladas com alquídicos
– as linhas de óleo miscíveis com água
– os bastões de tinta a óleo
– o sistema “mussini” com resina Damar agregada

Todas essas versões podem ser utilizadas conjuntamente observando-se as características de cada produto:

As linhas tradicionais de óleo/pigmento ganharam pigmentos de mais alta performance e resistência à luz e a concorrência entre os fabricantes só favorecem o artista.

– o óleo de secagem rápida(18 a 24 horas) é um produto que tem sua reputação baseada nos próprios mediums alquídicos utilizados pela maioria dos fabricantes.

Se o artista usa (e com muita frequência o Liquin e outros mediums alquídicos) com confiança justificada pode aproveitar-se do alquídico como tinta.

O alquídico em questão é miscível com as outras tintas a óleo e só acrescentam ao processo.
O mesmo se dá com a tinta a óleo miscível com água: é também miscível com o solvente e com as outras tintas a óleo (nesse caso a miscibilidade com água perde seu efeito).

O bastão de óleo é muito apreciado: trata-se de uma forma mais solida de pintura a óleo.
permite uma execução direta e também depois de aplicada pode se intervir com solventes a pincel e outras técnicas.

Com o advento de papeis de arte suscetíveis de serem pintados a óleo, o bastão forma uma dupla extremamente comoda ao artista, sem esquecer outros suportes como as telas, os painéis, os compensados com tecido colado.

– se levado em conta o tempo de secagem necessário para a camada de tinta poder ser protegida com um verniz final(no mínimo seis meses) a utilização desses “mediums”, uma vez de boa procedência já é uma necessidade.

– na experiência de muitos artistas: quem já utilizou a prática da pintura a óleo com os “mediums” se preocupa em que os mesmos não faltem, nunca.

*MAROGER , Diretor do Museu do Louvre, Cientista e Pintor.

*RESINA ALQUIDICA, Produto da reação entre um óleo secativo, um álcool e um ácido.

*TIXOTROPIA, fenômeno em que um gel submetido a agitação torna-se fluido, voltando ao seu estado inicial assim que cessado o movimento.

*MEDIUMS FLAMAND E VENETIAN, mediums de origem renascentistas em uso ainda hoje.

Artigos Relacionados

7 Comments:

  1. Olá, gostaria de saber sua opinião sobre o seguinte medium:
    1 parte Gema de ovo
    1 parte de vinagre
    5 a 6 partes de sun thickened linseed oil

    O pintor japonês que usa esse medium se chama Osamu Obi, ele tem uma página no facebook e ensinou essa receita.
    Eu pesquisei sobre essa receita e vi que tem uma parecida para ser usada com têmpera.
    É seguro usar essa receita com tinta a óleo? E se sim, pode ser usada sobre qualquer superfície?
    Ele disse que o vinagre serve como conservante, mas será que eu não posso usar o óleo de cravo pra esse propósito?

    • Olá Mary.

      Entendemos que você se refere a medium para pintura a óleo.
      Em relação as temperas também há algo na receita.

      Há vários mediuns para ambas as práticas: Para o óleo não veja a função do vinagre; a gema teria uma ação emulsionante e a adição de óleo espessado ao sol nos parece mais uma composição em uma fórmula pessoal que alguns artistas praticam.

      Na realidade os mais efetivos mediuns de pintura a óleo hoje são os mediuns de resina alquídica que substituíram as fórmulas da antiguidade (de óleos cozidos com chumbo e mesclados a residas tipo mastique.

      Se o medium relatado for utilizados em temperas, a adição da gema só complementa a receita original da tempera a ovo (pigmento mais gema); a adição de óleo
      espessado se justifica pois torna a tempera “grassa” (utilizada por Volpi); nesse caso o óleo mais usado é o “stand oil”, óleo de linhaça polimerizado.

      Quanto ao vinagre nosso conhecimento endossa o óleo de cravo.

      No site do Fruto de Arte (www.frutodearte.com.br)está disponível o novo lançamento em português do Manual do Artista de Ralph Mayer no qual abordar profundamente diversos assuntos da arte e da pintura.

      • Muito obrigada por responder!
        Eu gosto muito de pesquisar sobre mediums que os artistas usam e indicam, pois na internet há várias receitas muitas vezes duvidosas. Eu penso que qualidade e durabilidade da obra vem em primeiro lugar. É por isso que sempre estou aqui ou no blog cozinha da pintura para tirar minhas dúvidas.
        Mais uma vez obrigada!

  2. Olá Caetano, gostaria de saber se pode me ajudar com uma dúvida.
    O Gel Óleo da Corfix possui alguma resina? Se sim qual seria? Se não, sílica talvez? Não consigo encontrar a composição deste produto além da contida na embalagem (mesma coisa no site do fabricante), onde diz: “Óleo de linhaça e aditivos”. Aditivos é um ingrediente um tanto vago para um óleo gel. Enfim, gostaria de saber a composição deste medium. Quais possíveis aditivos a Corfix emprega neste produto para que o óleo de linhaça adquira a forma de gel? Não sabemos a possibilidade ou índices de amarelecimento ou de craquelura que o produto possa vir a desenvolver se a composição está vaga. Obrigado e parabéns pelo belíssimo trabalho tão necessário no Brasil.

    • Prezado Camilo,
      Sim, sabemos que na descrição dos auxiliares de pintura artística certos produtos tem uma informação sem muitos dados.
      Mesmo assim registro que em termos de tintas para o artista a indústria referida no seu email é o única remanescente que temos no Brasil.

      Passo uma ficha de segurança do produto que não especifica o denominado “aditivo”: http://www.corfix.com.br/produtos/i_ficha54-1.pdf

      Você pode também indagar do próprio fabricante a composição: laboratorio@corfix.com.br

      • Obrigado pela resposta e pela dica do e-mail Caetano.
        A ficha de segurança do produto eu já havia consultado e como podemos observar não consta informação suficiente sobre os aditivos.
        Neste meio tempo entrei em contato por telefone e fui muito bem atendido pela pessoa que me atendeu. Esta por sua vez contatou o laboratório da empresa e repassou a informação da química responsável que afirmou que é uma norma da empresa manter sigilo quanto à composição de certos produtos.
        Apesar do ótimo atendimento e atenção por parte da Corfix infelizmente não obtive sucesso em saber a natureza dos aditivos que compõem o produto.
        Uma pena, pois muitos fabricantes estrangeiros já estabelecidos no mercado mundial e nacional geralmente oferecem ao artista informação suficiente para que este possa extrair o melhor desempenho que seus produtos oferecem e alcançam.
        Não quero de forma alguma parecer crítico quanto à indústria em questão, ao contrário, gostaria apenas de um pouco mais de informação sobre este material que gostaria de experimentar no lugar de um similar estrangeiro. O papel desta empresa no Brasil é de indiscutível importância, principalmente por ser a porta de entrada de muitos artistas. Inclusive já utilizei e utilizo ainda muitos produtos deles para estudos. Algumas cores da Corfix, principalmente as monopigmentárias, ainda me impressionam quando comparadas a outras linhas estudantes estrangeiras, tendo um desempenho muito satisfatório para a tarefa que se destinam. Além disso, se não me engano a linha de produtos Cromacolor, distribuída pela Fruto de Arte, é fabricada na Corfix e posso afirmar que os produtos que tive a oportunidade de utilizar desta linha são de ótima qualidade.
        Desculpe por me estender e insistir no esclarecimento sobre este gel óleo, mas se porventura soubesse a composição clara deste produto e as informações batessem com o que acredito ser confiável como o seu respectivo estrangeiro, poderia facilmente substituir o produto importado pelo nacional com segurança.
        Mais uma vez muito obrigado pela atenção e parabéns pelo excelente trabalho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *