A Importância do Papel nas Técnicas de Gravura

Papel para Gravura

A gravura nos dias de hoje no Brasil tem retomado um lugar de destaque. De fato há uma grande atividade tanto no fazer como na circulação das provas, das galerias especializadas, dos atelieres de impressão.

Quer seja na técnica do metal como na xilografia, na litografia e na serigrafia há um contingente de artistas em atividade e uma produção de alta qualidade. O setor do chamado “giglée”*), na área digital, caminha também no mesmo compasso.

Um dos aspectos técnicos da gravura prende-se ao papel e sobre ele poucos dados estão disponíveis. Hora então de definir quais as escolhas disponíveis.

O papel de gravura, nas suas variadas técnicas, é sempre importado, com raríssimas exceções do papel feito a mão ou por um artesão ou pelo próprio artista.

As fabricas tradicionais, sobretudo europeias, são mais que centenárias e cuidam em fornecer papel para gravura de alto nível.

papel canson para gravuraOs papeis disponíveis no Brasil, entre outros, são produzidos na Alemanha, Italia e França.
Da Alemanha vem a marca Hahnemühle (fundada em 1584) um dos mais prestigia-dos papeis de arte. Da França, os papeis Canson, casa de 1557.

Disponíveis também papeis orientais principalmente para técnicas de relevo, xilogravura, com baixa gramagem para impressão manual, sem a prensa.

O papel de gravura tem sua composição similar aos papeis de arte de alta perfor-mance mas com tecnologia inerente a finalidade: usa, na sua composição, o mesmo tipo de fibras vegetais, variadas em sua proporção de acordo com a destinação especifica: algodão, linho, “linter”, celulose-alfa*, trapos de tecido e outros. A diferença remete ao tipo de encolagem, aos aditivos e demais insumos. Já os papeis orientais usam produtos vegetais diferenciados, principalmente o Kozo*.papel para gravura em metal hahnemuhle

Como todos os papeis de arte a fabricação depende da operação mano-maquina: não é uma produção planografica mas uma transposição entre o papel feito a mão cuja base é substituída por um cilindro perfurado para produção continua. Os papeis orientais são feitos a mão ou mano-maquina.

As fibras, tipo algodão, são batidas e processadas pelos moinhos ditos holandeses em abundante quantidade de água, reduzidas a dimensões microscópicas, adiciona-das substancias como o carbonato de cálcio, amidos, pigmentos, gelatinas e essa suspensão passa pelo cilindro em forma de peneira. Esgotada a água, forma-se o papel que pode ainda ser preparado para cada finalidade. A apresentação resume-se a folhas e eventualmente, rolos.

A quantidade de fibras na suspensão produz as diferentes espessuras do papel que é designada por peso em relação ao metro quadrado.

O papel de arte tem que se preservar da acidez: o carbonato de cálcio é o aditivo que permite um Ph* correto; a utilização do papel requer características inerentes a cada técnica: para a gravura, a resistência ao arraste e a alta pressões dos rolos ou das ratoras* das prensas na obtenção da gravura são características primarias.papel para gravura textura

O encolamento do papel é feito na massa, adequado aos procedimentos dos diversos tipos de gravura. O controle na umidificação para a técnica do metal é facilitado por esse tipo de fabricação.

Normalmente o peso do papel de gravura parte de 100 gramas por m2 e alcança até mais de 300 gramas nessa mesma dimensão. Os papeis japoneses e similares para xilogravura tem gramatura muito mais baixa de maneira geral.

A técnica da gravura em metal (calcografia) gravura em metalem termos de papel, proporciona também a escolha do mesmo para outras linguagens como a litografia (impressão planográfica na pedra), a gravura em relevo (xilogravura e linoleogravura), a serigrafia e outras técnicas como a monotipia e a colografia: os papeis, com procedimentos individuais e específicos se adequam a cada tipo de impressão.

Mesmo os papeis mais espessos podem ser utilizados para xilo e linoleogravura, uma vez havendo disponibilidade de uma prensa.

A porcentagem de fibra de algodão ou linter* na fabricação do papel adiciona características de desempenho e longevidade no produto. Mesmo utilizando a celulose de madeira tratada(a celulose alfa*) o papel de gravura especifico tem a garantia de qualidade exigida pelo artista: a lignina*prejudicial as características do papel foi eliminada no processamento da fibra.

Em todo o caso a escolha de papeis 100% algodão é a garantia de performance e longevidade exigida pela obra de arte.

Evidente que os cuidados com qualquer tipo de papel de arte, desde seu manejo e acondicionamento, montagem de apresentação com produtos sem ácido, preservação no meio ambiente, controle de umidade, calor, incidência lumínica constante proporcionará a conservação ideal.

Os papeis abaixo relacionados são os preferidos dos gravadores e se encontram com
facilidade:

HAHNEMÜLE (Alemanha)

Gramatura Cor Tamanho Marca d’ Água Fibras Técnicas
300 grs/m2 Branco 78×106 cm sim livre de ácidos todas

CANSON (França)

Referência Gramatura Cor Tamanho Marca d’ Água Algodão Técnicas
Velin Arches 300 grs/m2 Branco 80×120 cm sim 100% Todas
BKF Rives 270 grs/m2 Branco 75×105 cm sim 100% Todas
Edition 320 grs/m2 Branco 76×112 cm não 100% Todas
Edition 320 grs/m2 Variadas 56×76 cm   100% Todas

 

  • Linter* : fibras do caroço do algodão
  • Alfa Celulose*: fibra de madeira idônea, isenta de lignina
  • Kozo* : arbusto tipico japonês.
  • Ph*: potencial de Hidrogenio(grau de alcalinidade ou acidez).
  • Giglées: técnica de impressão digital.
  • Lignina*: Substancia na madeira bruta prejudicial a feitura do papel.

Compre no Fruto de Arte

2 Comments:

  1. Parabéns pela produção,muito esclarecedoras essas informações.

    • Obrigado Ulysses. Ficamos gratos por saber que estamos ajudando artistas e amantes da arte nessa área que ainda tem muito para descobrir no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *